sábado, 5 de novembro de 2011

Entrevista: Caio Martello

             Continuando com a idéia de entrevistarmos pessoas que atualmente estão vivendo na Irlanda, estaremos entrevistando o Caio, 23 anos, veio do Rio de Janeiro e já se encontra na Irlanda há 10 meses:




- Você chegou ao país em janeiro, com temperaturas baixas, como foi essa experiência? 
Saí do Rio com 42 graus marcados no termômetro próximo ao aeroporto. Cheguei a Dublin com 8 negativo. São 50 graus de diferença, para um carioca não é fácil (risos).

- Qual a impressão que você tinha da Irlanda antes de vir? Mudou? 
Eu tinha a impressão de uma Irlanda bem mais rústica, com muito verde, ovelhas, cliffs e os famosos Pubs. Deparei-me com uma capital bem moderna, prédios de fachadas de vidro e luzes neon. Talvez se estivesse morando mais para o interior, estaria vivendo a realidade que imaginava.

- Como era seu nível de inglês quando chegou à Irlanda?
Meu nível de inglês não era zero, longe disso. Mas tinha grande dificuldade em me comunicar. Hoje ainda tenho, mas mais por eu ser tímido às vezes. Mas com os amigos que fiz aqui, estou sempre conversando em inglês, muitas vezes discutindo assuntos mais profundos, como política mundial, economia, negócios e sustentabilidade (alguns exemplos).

- Sabemos que a economia da Irlanda vem patinando, porém há melhoras, você nota alguma diferença do momento que chegou para a situação atual?
Essa é uma pergunta complexa. Acho que para quem vem com o intuito de estudar a Irlanda te espera de braços abertos. Mas se você pensa em juntar dinheiro, acho que não é um destino aconselhável. Digo que empregos não faltam, mas também não estão disponíveis em qualquer esquina como há 5 anos atrás.
A Irlanda viveu um grande crescimento econômico como nunca tinha visto em sua história, e teve dificuldades de administrar isso. Mas o país está se recuperando e mesmo em crise a realidade para se viver ainda é muito superior se compararmos a países de terceiro mundo.

- Como você conseguiu seu trabalho? Quais são suas atividades?
Consegui meu trabalho por surpresa. Um dia alguém me ligou para uma entrevista em um lugar que nunca havia deixado meu currículo. Acabei indo ao restaurante errado e fui contratado na hora.
Trabalho como auxiliar de cozinha,  não é um trabalho pesado. Ultimamente também tenho me virado fazendo pizzas e montando pratos.

- Muitas pessoas aproveitam que estão na Irlanda para visitar outros países, quais locais você já viajou? Qual país você gostou mais?
Viajei para poucos países aqui na Irlanda. Certa vez um amigo me disse que passamos muito tempo trabalhando e tentando juntar dinheiro, que esquecemos de nos divertir e o tempo passa depressa.

Viajei para Itália, França, Espanha, Inglaterra e Irlanda do Norte (linda por sinal). Londres é impressionante, toda a grandiosidade, enorme número de pessoas, a correria, e a mágica que envolve a realeza e toda sua história através dos séculos. A França tem seu requinte, sofisticação, beleza, as alamedas e a torre que é absolutamente impressionante. Gostei demais da Itália. Mas nenhuma delas se compara à Espanha, em especial Barcelona. Cidade maravilhosa. O clima, as pessoas, a música, a arquitetura, a cultura,  é realmente DEMAIS.

- Muitos dos seus amigos já voltaram para o Brasil, como é essa sensação, de ver pessoas voltando e continuar aqui? 
Quando os novos flatmates chegaram eu até brinquei que me sentia um aluno repetente, que via todos os amigos indo embora e os novos que chegavam repetindo todo um processo dos “novatos” aqui em Dublin.
Acho que por um lado é muito bom, pois a melhor coisa em viajar é conhecer pessoas, e viver com pessoas novas trouxe novos ares a casa.

- Quais os ensinamentos adquiridos na Irlanda que você levará para o Brasil? 
A Irlanda é para os fortes. Cresci muito como pessoa aqui na Irlanda, a maioria dos ensinamentos você só percebe quando volta ao seu país. Mas o amadurecimento pessoal é impressionante. É uma vida completamente diferente, num país diferente, com clima diferente, onde se é visto como diferente, e sozinho. É como ser posto no meio de uma selva para se salvar. Você acaba aprendendo demais.

- Quanto tempo você pretende passar na Irlanda? 
Vim para ficar 1 ano e pretendo cumprir. Agradeço demais à Irlanda e tudo o que ela me proporcionou.

- Quais são seus planos para o tempo restante? 
Tenho muito pouco tempo restando. Quero conhecer alguns países e voltar para casa.

- Se você pudesse dar um conselho para quem estiver interessado em vir para Irlanda, qual seria? 
Venha, mas se não gostar de frio, fuja para outro lugar (risos). Acho que a experiência de um intercâmbio deve ser vivida por todos.
Como li uma vez, uma frase de Pablo Neruda: o mundo é grande demais para se nascer e morrer no mesmo lugar.

12 comentários:

  1. Se me avisassem que podia mentir...auehauhaeuhaeuheauhaeueah
    grande Caio

    abraços! Vini

    ResponderExcluir
  2. Great post Caio...showing how great this country is! Everyone should come here!!!!

    ResponderExcluir
  3. Caio, venha fazer as pizzas e os prantos que você aprendeu a montar ai na Irlanda pois estamos com fome e saudades. Sua família. rsrsrsrs

    ResponderExcluir
  4. Essa rapaz é guerreiro, grande Caio.
    Como eu sempre digo; Aqui sua vida muda da noite pro dia, ele sabe do que eu to falando, num dia desempregado, e preparando as malas pra voltar pro Brasil, no outro uma ligação, um novo emprego e a primavera chegando novamente.
    Vamos gastar, comprar um blazer, pagar café pros amigos, curtir a sensação de receber em euros e morar na Europa.
    A Irlanda é para os forte!!! Abraço!!!

    Isaac Miranda.

    ResponderExcluir
  5. Grande Caio, escolher fazer intercabio foi algo muito bom na sua vida, só continuou com mal gosto por torcer para o Fluminense.

    Adorei a entrevista só não entendi na hora do "timido" ... tu é um cara de pau meu amigo UhEIUHEIue abraços

    ResponderExcluir
  6. Cara é isso ai mesmo. Uma experiência de intercâmbio é algo único. Recomendo a todas as pessoa que tiverem a oportunidade de meter as caras e ir em frente, não ficar com medo e não pensar nas coisas negativas porque o ganho que se tem é absurdo, tanto pessoal como profissional. Depois de fazer alguns intercâmbios o que eu posso dizer é que sua vida nunca mais será a mesma depois dessa experiência. Como já disse Albert Einstein uma vez "A mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará ao seu tamanho original", e ele estava certo quanto a isso.
    A única implicação negativa de um intercâmbio é o fato de você não conseguir mais se acostumar a viver só com uma única cultura. Se quando você estava no Brasil você estava feliz com tudo o que tinha, agora você pode ter a certeza que não será mais assim. O seu espírito aventureiro sempre estará a procura de novas e super interessantes experiências e voltar a rotina não é algo que você realmente irá querer. Muito bom nos primeiros meses de volta mas horrível nos meses que se seguirão. Acho que o que acaba por acontecer é você deixar de ser um cidadão do seu país natal e passar a ser um cidadão do mundo.
    Uma vez disse a uma amiga, um intercâmbio foi a melhor e a pior coisa que já fiz na minha vida, foi aonde tive os momentos de maior diversão e crescimento pessoal porém não consigo mais voltar a vida normal de rotina, mas é algo que eu acho que todo mundo deveria fazer. É muito fácil viver com algo que você não sabe como é e só imagina porém é muito difícil voltar a realidade quando você sabe o quão diferente a sua vida poderia ser :S.
    "O mundo está nas mãos daqueles que tem a coragem de sonhar e de correr o risco de viver seus sonhos"


    Abraços

    ResponderExcluir
  7. Fala pequeno grande homem, vc sai de casa como se fosse o menino da bolha de plastico , pois nunca te imaginei vivendo só. Voce surpreendeu a todos, deu a volta por cima e é hoje um cara responsavel e que sabe viver em qualquer lugar do mundo, é um verdadeiro cosmopolita. Caio parabéns pela matéria, mandou bem. Tenho certeza que qualquer país quer te-lo como inquilino rsrsrrsrsrsrsrrsrsrsrrsrs. te amo bjos. seu pai e amigo Ricardo.

    ResponderExcluir
  8. Gostei da entrevista: Show!!! :)
    Somente devo comunicar um erro: "Viajei para poucos países aqui na Irlanda".... ????

    ResponderExcluir
  9. Roberto Lima (Betão)5 de novembro de 2011 20:11

    Grande caião!!
    Poxa, deve ser uma drogah ver todos os amigos indo embora, pouco aos poucos...
    Mas a experiência de intercâmbio é um pequeno resumo da vida. Conhecemos novas pesssoas, fazemos grandes amizades e grandes amores. Arranjamos um emprego e batalhamos por tudo. Depois de um tempo, vai-se o emprego, vão-se os amigos e tudo que conquistamos. É amigo, temos que ser forte para aguentar em 6 meses ou 1 ano tudo o que uma pessoa normal aguenta durante uma vida inteira. Força caião, voce merece brother! Abraço!

    ResponderExcluir
  10. Verdade, o certo seria Europa.

    ResponderExcluir
  11. Gostei muito da sua entrevista Caio.
    Valeu mlk.

    Carlos

    ResponderExcluir
  12. Parabéns pela entrevista!
    Muito legal!

    beijo
    Maiara

    ResponderExcluir

Deixe o seu recado para nós